quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Silêncio!

Silêncio! Não quero falar. Entrego a todos meu discurso mudo. De boca seca. De mão beijada. Um político. Um voto. Confiança. Isso basta. É o bastante.

Vou fechar os olhos. Dizem que eles são as janelas da alma. Não quero ser incomodando. Se chamarem, diga que sai.

Não vou mais esperar o inesperável. Não vou ligar. Não vou matar árvores rasgando papeis. Não vou foder com o mundo. Ele se toca, se fode sozinho. O telefone não toca. A caixa de correio segue desabitada.

A alma tão humana emite um urro internamente ensurdecedor. Ela quer contar tudo. Quem disse que vou ceder? Meu mundo é tão maior. Tenho tantas pernas pra correr.

Silêncio! Não quero falar.

3 comentários:

Leon K. Nunes disse...

O silêncio é ensurdecedor às vezes... ó que tem gente que não está preparado para ouví-lo. Porque o silêncio é síntese de tudo que não é convencional.

Jessyquinha :) disse...

choqueeeei com sua seriedade

Paula S disse...

Esse texto te resume tão bem. É sério. Tem humor. É firme. E suave.
Te afasta e aproxima. Quer ser "feio". E lindo.

Vou parar de elogiar, se não vc se acha. Prefiro quando vc se procura, rsrs.

;)