sexta-feira, 13 de abril de 2018

Noite alta

A solidão tem relógio grande. O ponteiro demora a fazer a volta. Ninguém vai voltar. Ficaram só eles: ele e as consequências.

Ela, a outra, magoada, insiste em fazer contato. Mas tá longe. Em outra órbita. Frases soltas não fazem textos bons. Pessoas soltas só fazem merda. Avisei a ele.

Falei para ele que agora não adianta só chorar. O relógio é grande, ele tem saúde e não quer se matar.

O relógio é grande, meu amigo. Ele não te prende. A noite se espalha. Vamos fazer merda. De novo. Foi você quem começou isso tudo, mesmo.


domingo, 18 de março de 2018

Marcos

Formigas escalam todo o grande armário. Formigas não são boas para metáforas. Será que elas traçam marcos para iniciar seus maiores objetivos? Preciso parar com essa mania. Preciso parar de perder minha atenção, meu foco, com coisas pequenas.

Para recomeçar a fazer o que estava fazendo, tenho que determinar um ponto de partida. Geralmente é uma dose de alguma que tem em casa, no armário. Às vezes tem até água.

Quantos quilômetros a mulher de pernas gostosas corre por dia? O que eu vim buscar no mercado, mesmo? Acho que vim comprar uísque. A água acabou. Será que está paga? Quando pagar as contas, vou traçar uma meta para minha grana.

Preciso parar com essa mania. Não adianta definir marcos antes de começar algo. O que marca é a passagem de tempo. Só depois que acabamos o tal algo é que podemos olhar para trás e ver onde e como aquilo tudo começou. Os deuses não têm rédeas. Cacete! Tenho um compromisso. Cadê meu relógio? Será que está dentro do armário?

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Meus links

Links com textos meus em diversos locais. Para ler os textos deste blog (que também são meus) basta olhar as outras postagens da página.

- Meus textos no Diário do Rio
- Meus textos no Galeria Musical
- Meu livro "Ponto Final"
- Crônicas minhas
- Textos meus sobre o Fluminense
- Textos meus sobre futebol
- Textos e comentários em vídeo sobre futebol
- Meu blog sobre MPB
- Meu livro "Histórias de um Boteco Verdinho"
- Alguns dos meus textos jornalísticos
- YouTube
- Mais informações

Cicatrizes

Os corpos juntos eram silêncio. Apenas sons que vazam pelos poros nus. Tudo o que eu sabia sobre ela era o que estava exposto nos mundos. No real e no virtual.

Já cobertos por finos lençóis, falávamos muito, contudo, não se aprofundava.

Eu, repetitivo, examinava as linhas dela, que pouco acrescentavam.

Dizem que as cicatrizes na pele falam por nós. As dela, apesar de muitas, nada diziam.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017