sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Caminho

Meu copo está sempre meio vazio. Foi tudo o que me deram. E eu não pedi mais nada.
Ah... Essa é da boa! Porra, esse cara no reflexo sou eu?
Faz muito tempo que me tornei tão pouco...
Ainda lembro da casa: paredes amareladas, umas árvores nos fundos, aquela velha bicicleta jogada ... Todos devem estar bem lá. No mesmo lugar.

No fundo eu sou metade demais para aquilo tudo. Quando pensei romanticamente em lutar, trombei com a realidade do medo. Nunca fui bom em provas de
“marcar x”, talvez tenha escolhido a opção errada.

-Sai daqui, cara, já te dei uma dose de cachaça, vai embora agora!

É minha culpa. Tem culpa eu?
Meu copo está sempre meio vazio e eu bebo o que resta. Isso pode piorar ou melhorar as coisas, depende do tempo e de onde se vê.

Preciso ir. A Terra está girando e eu sei que ela é redonda. Deve se por isso que eu sigo por aí...

(Ao som de: Bide ou Balde: Outubro ou nada 2003)

7 comentários:

Aninha disse...

deve ser por isso que eu sigo tb =P

Gosto muito do jeito q vc escreve!


Bjks

Paula S disse...

Mutcho Bom!!!
Lindo e triste, igual a vida.

Wellington Souza disse...

OPá jovem!

É pertubadora a consciência de existir.

Sorte nossa esta consciência ser álcool-solúvel!

Abraço!

Jon disse...

Às vezes precisamos ir para voltar.
Belo conto!

Jéssyca disse...

"precisamos ir para voltar" ?
:|

Gabi ~ disse...

Muito bom o conto. Adorei o jeito como você escreve. Vou te seguir. beijos

Vinicius Colares disse...

(deve ser por isso que eu sigo tb)2